quarta-feira, 16 de setembro de 2009

E quando um desconhecido entra em sua vida?

“Eduardo e Mônica era nada parecidos
Ela era de Leão e ele tinha dezesseis
Ela fazia Medicina e falava alemão
E ele ainda nas aulinhas de inglês
Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus
De Van Gogh e dos Mutantes, de Caetano e de Rimbaud
E o Eduardo gostava de novela
E jogava futebol-de-botão com seu avô
Ela falava coisas sobre o Planalto Central
Também magia e meditação
E o Eduardo ainda tava no esquema “escola, cinema
clube, televisão”…
E mesmo com tudo diferente, veio mesmo, de repente
Uma vontade de se ver
E os dois se encontravam todo dia
E a vontade crescia, como tinha de ser…”
Eduardo e Mônica – Legião Urbana
Conhecer alguém por completo geralmente requer paciência, vontade e compreensão, acima de tudo. Como já disse muitas vezes por aqui, cada ser humano é diferente do outro (e isso é bom, acredite) e, por isso, cada um apresenta devidas qualidades e particularidades, o que, de certa forma, acaba sendo o “charme” da pessoa; é o que faz com que os outros se apaixonem por nós. Pois bem, e será que vale a pena se envolver com um desconhecido?
Criar simpatia por alguém é uma coisa bem fácil, o problema é se, depois, você querer inverter esse quadro. Se apaixonar por um desconhecido pode ser uma aventura, ter um gosto de primeira vez, de ‘único’ na sua vida. O coração prevalece nesses casos e a cabeça fica de stand-by, esperando passar o frisson para que você comece a raciocinar. E é aí que surgem os problemas: mas o que ele faz da vida? Com quem mora? Será que ele é confiável? Atualmente, é sempre bom ter um pé atrás com as pessoas, de início. A gente nunca sabe o que pode vir a acontecer…
Nesses casos, o conselho certo seria evitar que você se entregue de cara para a pessoa. Mas a gente não manda nos nossos sentimentos, né? Então por que não ir atrás e tentar descobrir algo? Jogue a real e converse sobre o passado. Mas lembre-se, o garoto teve uma vida antes de te conhecer, portanto, alguns atos podem te deixar chateada. Infelizmente, a gente não pode mudar o passado, mas sim o futuro. É claro que você não pode fazer um inquérito da vida da pessoa, mas pode começar a entendê-lo. Isso irá facilitar a sua relação e, com certeza, tirar algumas dúvidas e paranóias da sua cabeça.
Caso você desconfie ou ache que o cara é uma furada, você deve avaliar e ver se essa pessoa é realmente necessária para você. De problemas, já não basta os seus, para que criar mais um, então? Mas ‘quem um dia irá dizer que não existe razão nas coisas feitas pelo coração…‘?
E aí, o que você acha que deve ser feito nessa situação? Comente!

Nenhum comentário: