quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Internet: o que era para criar relações, destroçou corações


Desde quando o Orkut surgiu, em 2004, e entrou em ascensão, muitas histórias de casais que se separaram por causa da rede social apareceram por aí. Vamos entender: o Orkut, um site onde você se relaciona amigavelmente e através da tela de um computador com outras pessoas, virou o vilão. Ali, um espaço público em que qualquer indivíduo pode escrever e se expressar da forma que desejar, teve a força de terminar com milhares de centenas de namoros. Hoje, quase cinco anos depois, o Orkut já não tem mais a força que teve um dia. Poréééém, hoje temos o Twitter, o MySapce, o Facebook, o YouTube e todas esses outros sites que fazem parte de uma gigante rede, chamada Web 2.0, onde o intuito é se auto-promover. E desde quando auto-promoção é traição?
Entender e fazer parte da internet é um negócio terrível. A geração atual, por exemplo, já nasceu submersa em um mundo onde todo mundo é conectado entre si. Para os mais antigos, a internet é, ainda, uma novidade e incógnita. Tente explicar, por exemplo, para os seus avós qual é a graça de escrever, em 140 caracteres, o que você está fazendo em um determinado momento (aka Twitter). Claramente, a resposta será: “e pra que alguém precisaria saber disto?”. Ao mesmo tempo em que é complicada, a internet encanta. Nela, você pode ser qualquer pessoa. Se, por acaso, encontrar alguém no Facebook que seja fã de histórias em quadrinhos, você pode, com ajuda da Wikipédia, se tornar o maior fã de Super-Homem da face da Terra e virar noites conversando sobre o assunto com essa nova pessoa, que virou sua melhor amiga instantaneamente, mas que você nem sabe o rosto (e a foto não vale. Até os leigos usam Photoshop!).
Pois bem, para os que namoram: vocês já devem saber a trabalheira que a internet dá, né? Possivelmente - e eu acredito fielmente que todo mundo que está lendo esse blog já passou por uma crisa de web algum dia - o maior problema ainda não é a internet, mas sim o seu namoro. Se vocês dão shows de ciúme por causa de qualquer scrap, é bem provável que exista entre vocês dois alguma lacuna não preenchida, insatisfeita, que gosta de gerar uma tensão entre os dois. Antes de se namorar alguém, é obrigatório que você esteja totalmente bem consigo mesma, que você confie no seu taco e que esteja apta para se abrir e aceitar mudanças para se relacionar com uma pessoa diferente de você. Estando bem com tudo isso, provavelmente a internet já não causará muitos problemas - assim como várias outras coisas.
Para você que é conectada e entrou em uma relação com alguém que também é totalmente online, você vai precisar, antes de tudo, aprender a ceder. Cara, esse é o tipo de relação mais difícil que existe. Em meio à todo aquele lance de postar fotos no Orkut, no Fotolog, receber e responder comentários, você está criando, do outro lado, uma pessoa doente para ter o mesmo. Nas relações, é difícil encontrar alguém que aceite ouvir o outro ser elogiado o tempo todo, mas não receber nenhum elogio. Provavelmente, se isso acontece com você, o seu parceiro vai sair por aí sedento por carinhos e afins. É triste, porque parece birra de vez em quando, mas é sempre uma insegurança muito grande que as pessoas têm. Além de toda essa questão de imagem na internet, vocês ainda vão precisar aprender a lidar com a questão de responder ou não as pessoas, avaliar o tom das conversar, ver maldade em tudo que você receber, entender o outro, saber diferenciar diversão, pegação, amizade e contatos… Enfim, é um trabalho muuuuito grande a ser feito. Não adianta simplesmente desligar o fio e ficar offline, não. Você não precisa mudar o que você gosta para namorar alguém - e nem o outro precisa fazer isso por você. O que é necessário é trabalhar para que o meio termo seja encontrado, para que os dois aprendam a se respeitar e não ter crises de ciúme quando acontecer algo inesperado. É assim que a web funciona, de surpresas. E você tem que estar pronta o tempo toda para encará-las de forma madura, com noção de que aquilo - por enquanto - é virtual.
Se antes as meninas tinham medo da Playboy, hoje elas teriam que ter medo dos provedores! A internet é um poço de pornografia, de mulheres nuas, de poses sensuais que convidam os meninos - e as meninas - para ‘participar’. Tá vendo como tudo é muito grande e como não dá para tentar agregar, entender e solucionar tudo em um namoro? Então o que se recomenda: viver! Não ligue para a internet, para as pessoas que te cercam, para qualquer empecilho que o seu namoro possa ter. Só viva ao lado dele os momentos que vocês passam juntos, para tentar fazer daquilo o melhor namoro do mundo e tenha a certeza de que, depois, você não irá se arrepender de nada. É assim, nessa ‘rede’ que a gente deveria se espelhar…

Nenhum comentário: