domingo, 10 de outubro de 2010

Nunca a mesma

Eu não sou doce. Na verdade, eu sou daquelas que mudam da água pro vinho em um segundo, daquelas que atiram as roupas para todos os cantos e depois têm preguiça de procurar. Para ser sincera, eu sou bem complicada. Há dias que prefiro o azul, outros, gosto mais do rosa, ou será que é do verde? Indecisa e um tanto insegura, o chão não parece estável, e eu tenho medo de afundar, ou de flutuar. Tenho medo da alta queda, mas também temo nunca poder voar. Eu não sou doce, acho que doces atraem formigas, posso ser simpática, mas não o tempo inteiro, às vezes falo palavrões e te mando tomar naquele lugar onde o sol não bate. Nunca tenho roupas, e às vezes tenho até demais; ora gosto do colorido, ora prefiro o cinzento. A mesmice nunca me atrai, o comum nunca me seduz, gosto do diferente, do incomum, de aventuras. Ora, veja só, eu não sou um doce, eu sou uma composição química em constante mudança.

Um comentário:

hingrettkatherine disse...

E o pior é que as pessoas sempre quer que você escolha cor preferida,música ,ou filme e livro,mas isso varia depende do nosso estado de espírito!
Adorei o texto!